História

Japeri Golfe é um projeto social de educação pelo esporte que abriga o primeiro campo público de golfe do Brasil e mantem uma Escola de Golfe, por onde já passaram cerca de 400 crianças e jovens, moradores da Baixada Fluminense. Em mais de uma década de atuação, o projeto tem bons resultados dentro e fora de campo, e já transformou dezenas de vidas, não somente dos alunos, mas de suas famílias.

Criada em 2001, a Associação Golfe Público de Japeri – AGPJ nasceu do sonho de um grupo de jovens caddies – carregadores de taco – que trabalhavam em um renomado clube carioca e moravam na Baixada Fluminense. Depois de convencer a Prefeitura de Japeri e ganhar a simpatia de dirigentes da Federação de Golfe do Estado do Rio de Janeiro, o sonho virou realidade. Com apoio da FGERJ, do R&A e do Nationwide, foi construído o primeiro campo público de golfe do Brasil, e, logo em seguida, fundada a primeira Escola de Golfe para crianças e jovens em situação de risco social.

 

Campo

De acordo com a LEI 941/2001, a AGPJ tem a concessão do terreno de mais de 70 hectares, e reconhecido como área de proteção ambiental, onde foi construído o primeiro campo público de golfe do Brasil. Com nove buracos e status de campo oficial, reconhecido pela Confederação Brasileira de Golfe – CBG, o Japeri Golfe é aberto ao público, fica a 50 minutos do Centro do Rio, próximo à Nova Dutra, e conta ainda com um Driving Range (área de prática) e aluguel de equipamentos para aqueles que quiserem jogar.

Impacto socioeconômico: a implantação deste campo, possibilita a prática e desenvolvimento do esporte da região, atrai investidores, contribui com a economia local gerando novos empregos, diretos e indiretos, oferece uma nova perspectiva para a população do município e proporciona uma sensível melhora na qualidade de vida da Japeri.

Impacto ambiental:  o campo de golfe de Japeri protege mais de 70 hectares. Uma certeza de preservação da natureza e perfeito equilíbrio ecológico, com ações de reflorestamento e a implantação de uma área verde, preservando a biodiversidade e criando uma espécie de “Santuário Ecológico” inédito na região. A AGPJ adotou eficientes controles e monitoramento ambiental contínuo do projeto durante e após a implantação e ainda trabalha a consciência ambiental das crianças por meio do curso “Agentes Mirins Ambientais”.